terça-feira, 15 de agosto de 2017

Mais Notícias do AnimOkay - Confira Atualizações na Programação

Elissom Carlos tem me avisado de novidades acerca da programação do evento desde o início da semana passada. Hoje, apresento aos leitores do Kalango mais sobre o que vai rolar na 6ª edição do encontro, o AnimOkay 2017!

Lembrando que o evento ocorrerá na cidade de Pedras de Fogo/Itambé, no colégio João Úrsulo no dia 27 deste mês (Agosto) e terá ingressos no valor de R$ 10,00 (antecipado) e R$ 15,00 (na entrada). Caravanas pagam a preço de antecipada... Já falei que cosplayer não paga nada?



Prêmio do Concurso de Cosplay



Os caras fecharam parceria com Câmera Geek e o resutado não poderia ser mais favorável aos cosplayers, pois o prêmio do concurso de cosplay será um ensaio fotográfico.
A iniciativa é valida e importante para os que desejam se tornar cada vez mais profissional. Um 'book' - ou seja lá como chamam hoje em dia - de fotografias servirá como um referencial (e com certeza será um direfencial) na exposição do seu trabalho na internet, por exemplo.



Gabriel Muaze se fará presente



Esse rapaz conhecido pelos 'Lolzeiros' marcará presença no AnimOkay! Quem curte o trabalho dele, tem alguma pergunta que gostaria de fazer ao cara, ou simplesmente pegar alguma dica de League of Legends, então, vá lá e prestigie a participação do Gabriel!




O Lendário Dublador Jorge Vasconcelos estará no Evento




Isso me surpreendeu. O Macaco Louco estará no AnimOkay 2017! Sim, o vilão d'As Meninas Superpoderosas, aquele mesmo! No fator nostalgia, os organizadores do evento pegaram pesado, devo admitir, pois não lembro qual tenha sido o último evento na Paraíba que trouxe essa figura mitológica a um evento de cultura pop e devo dizer: é ótimo.
De Riyuuki a Rei Gelado e outros personagens icônicos, quem não tem simpatia pela voz rouca e  semi gutural do Jorge Vasconcelos, quem?


Continue lendo, pois nesse post, segue o Projeto Atualizado do AnimOkay. E se você está se perguntando 'o que é esse tal projeto?' eu respondo: um PDF muito bem organizado que traz mais informações sobre o evento. Clique no link abaixo e faça o download do arquivo.


Sei que já escrevi no primeiro post de divugação do AnimOkay algo a respeito, porém no PDF mencionado você poderá entender o que é AnimOkay não pelas minhas palavras, mas pela visão dos idealizadores do projeto.

   ... Até o presente momento é isso. Sinceramente, mesmo que surjam novidades, confesso que a programação do AnimOkay 2017 está bastante razoável. Sério, o evento promete ser no mínimo divertido e esperamos você lá!
.
.
.
Clovis de Castro escreveu o texto e espera ver o maior vilã de Townsville no AnimOkay 2017!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Ocean Waves (Umi ga Kikoeru) - Uma Animação do Estúdio Ghibli Sem Enredo Mágico!


   Ora, ora, faz um looooooongo período que não faço nenhum review sobre anime, mangá ou qualquer coisa do gênero - apesar de ser exatamente isso que escrevo sempre: animes e mangás, com poucas variações em jogos de portáteis.

   Eis que para me redimi surgiu a espontânea ideia de escrever sobre uma das primeiras animações do Estúdio Ghibli que me fora apresentado a não muito tempo atrás. Ocorre que na época do icônico Viajem de Chihiro, eu quando criança, não me senti muito atraído por aquele formato de animação que, apesar de belíssimo e merecer outros tantos superlativos, me parecia estranho. Quando digo estranho não leve para o lado negativo da coisa, contudo diferente. Mais ou menos a mesma coisa senti ao assistir aos 9 anos de idade Castelo Animado. Minha cabeça infantil não conseguiu processar aquela obra psicodélica que se desenrolava no aparelho de DVD.
   Então o parágrafo anterior foi uma justificativa pelo fato de anos depois (uma década cerrada, assisti Ocean Waves aos 19 anos) decidi dar uma segunda chance à animações do Estúdio Ghibli.

   Para muitos que conhecem Umi ga Kikeoru, podem me achar louco por ter assistido Viajem de Chihiro e Castelo Mágico, premiados em todos os lugares do mundo e aclamados pela crítica especializada e não ter criado nenhuma simpatia por estes já consagrados clássicos, mas com esse título que (espero parar de enrolar e em algumas poucas linhas iniciar de fato a resenha) ninguém conhece por não ter sido distribuído no Brasil e ter feito pouco ou mesmo nenhum sucesso em terras nipônicas e Europa, fora justamente esse média metragem que me interessou no final das contas?

   Explicarei o porquê agora.

...e foi assim que começou...

   A maioria dos produtos do Estúdio Ghibli tem uma forte carga de fantasia. Isso todos nós sabemos. Ocean Waves trás uma história simples sobre o relacionamento entre dois jovens do ensino médio, Taku Morisaki e Rikaku Muto. A 'narrativa' dos fatos se dá com as memórias de Taku na sua época de estudante, na cidadezinha de Kouchi, de modo que nos são apresentadas as lembranças mais e menos importantes no decorrer do filme, sem que no princípio você se dê conta disso. 

   Em poucas palavras, é assim que defino Umi ga Kikoeru.

   Nada parece se destacar no desenrolar da história. A trilha sonora é simples (só simples) e o orçamento para a animação parecia estar apertado ou é o que se percebe quando comparado Ocean Waves com Porco Rosso...

   Mas apesar de tudo isso, temos aqui o retrato fiel de como as coisas realmente são.

   Deixe-me explicar. Umi ga Kikoeru trás por meio das lembranças do Taku Morisaki anos após de graduado do ensino médio, o seu passado simples de garoto no interior que conhece Rikaku Muto recém transferida de Tokyo e que por um motivo banal (essa garota pede dinheiro emprestado a ele) eles começam a se relacionar - e por relacionamento não entenda exclusivamente como 'amoroso', e nesse desenrolar, o pessoal da classe dos dois começam a comentar sobre o 'namoro' dos dois, causando mal estar nos protagonistas da história e levando-os a romper aquilo que nunca existiu.
   Entendem o que isso significa? Trata-se, ao meu ver, de um dos 'Slice of Life' mais fiéis que jamais vi. As memórias do protagonista Taku Morisaki poderiam ser de qualquer um. São retratos dos primeiros arrependimentos de uma pessoa ainda em crescimento físico e emocional. Lembranças do que foi e do que poderia ser. Morisaki estava parado numa plataforma de trem e ao reconhecer do outro lado da plataforma a sua colega de classe temos um gatilho que dispara na mente do rapaz fazendo com que rememore tudo o que passou até aquele momento.

___________________________________________________________________________

Por que um anime que não trata sobre oceano, surf, pesca ou nada do gênero teve o título de 'Ondas do Oceano'?

Ora, é muito simples, o título faz referência aos sentimentos dos adolescentes, em constante mudança como as ondas do oceano.
___________________________________________________________________________


   No final do filme, quando cessam os 'flashbacks', podemos ver todos os colegas de escola dos protagonistas na reunião de turma conversando exatamente sobre isso, do que foi e do que poderia ter sido, fica claro do motivo que me fez assistir até o final: a história é boa.

Apesar de não ter uma carga emocional forte, Umi ga Kikoeru está cercado de pequenos momentos marcantes

   Apesar das falhas que vão se tornando mais claras e aparentes depois de assistir algumas vezes e ler as críticas sobre Ocean Waves, a história tem muitos dramas reais. Atualmente, quando assisto/leio algum Slice of Life percebo que variam entre comédia e drama, mas aqui temos apenas um drama palpável, até mesmo sensível.

Espero que depois desse texto você assista, pois quero saber sua opinião sobre o filme
  
   ...Sim, fui bem menos claro do que achei que realmente seria, se bem que cumpri com o prometido (nunca fiz promessa nenhuma a ninguém, diga-se de passagem) de jamais revelar spoilers. Mesmo que um e outro passe, as principais surpresas de Ocean Waves permanecem inéditas aos que só leram o presente texto.

   De qualquer modo, indico que assista ao filme. 

   Sinceramente, não é o melhor filme do Estúdio Ghibli, mas é certamente um dos mais diferentes que eles já produziram e talvez só por isso já vale dar uma conferida.
.
.
.
Clovis de Castro fez a resenha e tomou um momento de profunda reflexão depois de ter assistido Ocean Wave.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Entrevista com Elisson Carlos - Organizador do AnimOkay


____________________________________________________________________

ATUALIZANDO: O valor dos ingressos é de R$ 15,00; sendo o preço de antecipado R$ 10,00. Caravanas pagam a preço de antecipado
____________________________________________________________________

Como o encontro AnimOkay vem se aproximando, nós do Kalango Alpha decidimos realizar uma pequena entrevista com Elisson Carlos, idealizador, fundador e um dos organizadores do projeto.
As perguntas foram boladas sem a pretenção de ser formal ou pedante, para que o próprio entrevistado pudesse responder com maior naturalidade. Eis que somos presenteados com as sinceras impressões da cabeça por trás do AnimOkay.




[Kalango Alpha] Como surgiu a ideia de criar o AnimOkay?

[Elisson Carlos] "A ideia surgiu a partir do momento em que eu e alguns amigos (principalmente meu primo) íamos aos eventos fora. Com o passar do tempo começamos a convidar alguns amigos e vimos que tinha muita gente com o mesmo gosto que o nosso. Com o tempo fizemos caravanas levando até ônibus lotados para eventos fora da cidade! Então pensei comigo: 'se tem tanta gente que gosta de ir pra os eventos fora, por que não fazer um aqui?' e comecei a agir em segredo (risadas). Só depois convidei dois amigos para me ajudar"



[Kalango Alpha] Quais as principais diferenças entre a primeira e a última edição do AnimOkay?

[Elisson Carlos] "A diferença tá principalmente na experiência. O primeiro, como falei, fiz todo sem tem muita noção do que estava fazendo (risadas); os demais já foram melhor elaborados, com atividades que você só encontra aqui - algumas que até já foram copiadas por outros eventos (risadas)"



[Kalango Alpha] Qual o principal público que o AnimOkay atrai?

[Elisson Carlos] "O diferencial do AnimOkay está justamente nisso, atraímos diversos tipos de públicos. Desde o carinha mais nerd fã de Star Wars ao cara que vai só pra ver a galera sofrendo no concurso de comida (risadas)"



[Kalango Alpha] Quais as expectativas para esse ano?

[Elisson Carlos] "Como sempre, são boas. A cada ano o evento conquista novos fãs"



[Kalango Alpha] Qual lembrança mais querida que você guarda dos AnimOkays anteriores?

[Elisson Carlos] "Tem várias, visse. Vou citar uma de cada ano: 

Na primeira edição teve um momento em que um dos palestrantes convidados falou emocionado que nunca tinha sido tão bem tratado em nenhum outro lugar que foi;

Na segunda edição, um momento de brincadeira com o dublador Charles Emmanuel após o evento, quando o mesmo saiu do local da palestra, se escondendo atrás de um carro. Quando saimos pra procurar por ele, ele sai de tras do carro gritando 'É hora de virar herói' e sai correndo  pelo local do evento (risadas);

Na terceira foi quando um garoto da cidade disse que a única coisa boa que tinha acontecido em todos os tempos aqui (Itambé), foi o AnimOkay;

Na quarta, foi poder realizar um sonho de uma garotinha em conhecer o 'youtuber' favorito dela;

Mas a que mais marcou foi na quinta edição (ano passado) quando a maquiadora Naira estava desenhando na barriga da minha esposa que estava grávida com 3 meses. Antes de batermos a ultrassonografia, ela desenhou duas sementes, uma rosa e uma azul, e o grão do feijão apontava pra o lado azul, então eu brinquei com ela (minha esposa) falando que tava adivinhando que seria menino e realmente, 2 dias depois batemos a ultra e vimos meu meninão."



[Kalango Alpha] Uma mensagem aos paraibanos, convite para que compareçam ao evento.

[Elisson Carlos] "Bom,  espero todos aqui, pois além de estarem se divertindo estarão proporcionando a nós, a chance de fazer quem não tem tanto motivo pra sorrir ter um momento de alegria, que são as crianças que recebem os brinquedos do natal solidário Animokay!"




E foi com esse gesto mais que bacana em ceder uma curta entrevista com o Kalango Alpha que a nossa conversa terminou.
Espero podermos contribuir melhor com a disseminação do evento não só aqui na capita paraibana, mas no eixo da mata norte pernambucana e região metropolitana de Recife e João Pessoa.
.
.
.
Clovis de Castro fez a entrevista e agradece a Elisson Carlos por ter respondido com tamanha prontidão e entusiasmo.